• Susane V. Almeida

Canais de venda on-line ditarão novo modelo de relacionamento.

As regras de distanciamento social impostas para tentar diminuir a disseminação do Covid-19 no Brasil, a partir de meados de março, atingiram em cheio os departamentos comerciais de todos os setores econômicos.


Com maior ou menor agilidade todos estão em processo de reinvenção, mas aqueles mais tradicionais e com menos presença nas mídias digitais são os que mais estão sofrendo.


Usuários pouco frequentes em ferramentas on-line e pouco acostumados com as redes sociais, imobiliárias e corretores estão se transformando em verdadeiras plataformas digitais. E para que tudo isso dê certo, o ritmo das mudanças nos processos é frenético.

Assim como aconteceu em outros setores, o consumidor que aprendeu a usar e a confiar nos canais on-line não deixará de utilizá-los e poderá compor uma lista de opções de como e em qual situação irá preferir cada um dos canais disponíveis.


Nesse novo modo de operar, a figura do corretor cresce em grau de importância.

A apresentação virtual dos imóveis será uma coisa corriqueira.


No passado eu não acreditava que alguém compraria sapatos sem experimentar. Hoje comprar sapatos on-line é uma coisa cotidiana. O mesmo já a acontece com os imóveis.


As pessoas vão comprar e alugar com o menor número de visitas possível.

Assim, existe uma necessidade enorme do desenvolvimento da apresentação virtual para dar segurança ao processo de compra.


O papel do corretor será deixar o consumidor seguro e confortável durante a operação.



Leia também:Pandemia acelera transformação digital no mercado imobiliário

12 visualizações